Pneumotórax espontâneo primário, secundário e hipertensivo: causas, sintomas, tratamento

Pneumotórax (PNX) é uma condição de início súbito caracterizada pela presença de ar no espaço pleural (ou seja, o espaço virtual entre os dois folhetos pleurais que revestem o pulmão e a parede torácica)

É causada pela ruptura de uma bolha pulmonar, onde o ar se acumula na cavidade pleural, retirando espaço do pulmão com o consequente risco de colapso pulmonar.

Pode ser espontânea, pós-traumática ou secundária à doença.

Causas de pneumotórax

O pneumotórax pode ser primário ou secundário.

Pneumotórax espontâneo primário

O tipo espontâneo ou simples é de etiologia desconhecida e ocorre frequentemente na ausência de doença pulmonar.

É mais frequente no sexo masculino: com menos de 40 anos, alto, magro, muitas vezes fumante.

É causada pela ruptura espontânea de pequenas bolhas subpleurais, localizadas nos ápices pulmonares.

Frequentemente envolve o pulmão direito e tem alta probabilidade de recorrência (50%).

Pneumotórax espontâneo secundário

O pneumotórax secundário espontâneo ocorre no contexto de uma variedade de doenças pulmonares.

A mais comum é a doença pulmonar obstrutiva crônica, que representa cerca de 70% dos casos.

Em crianças, outras causas são sarampo, equinococose, inalação de corpo estranho e certas malformações congênitas (malformação adenomatóide cística e enfisema lobar congênito).

11.5% dos indivíduos com pneumotórax espontâneo tinham um familiar que, por sua vez, já tinha essa condição.

Condições hereditárias como síndrome de Marfan, homocistinúria, síndrome de Ehlers-Danlos, alfa 1-antitripsina (que leva ao enfisema) e síndrome de Birt-Hogg-Dubé têm sido associadas ao pneumotórax familiar.

Em geral, essas condições causam outros sinais e sintomas, e o pneumotórax geralmente não é o primeiro evento a ocorrer.

A síndrome de Birt-Hogg-Dubé é causada por mutações no gene FLCN (localizado no cromossomo 17 p11.2), que codifica uma proteína chamada foliculina.

Mutações no gene FLCN e lesões pulmonares também foram identificadas em casos familiares de pneumotórax nos quais outras características da síndrome de Birt-Hogg-Dubé estão ausentes.

Além das correlações genéticas descritas, o haplótipo HLA A2B40 também é uma predisposição genética para pneumotórax espontâneo.

Pneumotórax traumático

Um pneumotórax traumático pode resultar de um trauma contuso ou de uma ferida penetrante na parede torácica.

O evento mais comum é uma fratura de costela na qual o coto ósseo penetra na pleura danificando o tecido pulmonar.

Este tipo também pode ser encontrado em vítimas de explosão.

Certos procedimentos médicos envolvendo o tórax, como a inserção de um cateter venoso central ou biópsia de tecido pulmonar, pode levar a um pneumotórax.

A administração de ventilação com pressão positiva, seja mecânica ou não invasiva, pode causar um barotrauma levando a um pneumotórax

Os sintomas

O pneumotórax se manifesta por dor torácica súbita e aguda, que pode estar associada a dificuldade para respirar e tosse seca.

Em alguns casos, a condição pode ser assintomática.

Pneumotórax hipertensivo

Pneumotórax hipertensivo refere-se a uma condição que leva a um comprometimento significativo da respiração ou da circulação sanguínea.

Os achados mais comuns em pessoas com pneumotórax hipertensivo são dor no peito e dificuldade em respirar, muitas vezes com aumento da frequência cardíaca (taquicardia) e respiração rápida (taquipneia).

Esta é uma emergência médica que pode exigir tratamento imediato sem investigação adicional.

A hipertensão do pneumotórax pode ocorrer durante a ventilação mecânica, caso em que pode ser difícil de detectar, pois a pessoa afetada está sedada.

Desvio da traqueia para um lado e presença de pressão venosa jugular aumentada (dilatação pescoço veias) não são confiáveis ​​como sinais clínicos.

Diagnóstico

O diagnóstico de pneumotórax pode ser baseado em:

  • radiografia de tórax: para observar a presença de ar na cavidade pleural e colapso pulmonar;
  • tomografia computadorizada de tórax: essencial para detectar patologias que podem causar pneumotórax secundário e a presença de bolhas;
  • exame especializado em pneumologia.

Raio-x do tórax

Radiografia de tórax mostrando um pneumotórax espontâneo.

Tradicionalmente, a radiografia de tórax, em projeção póstero-anterior, é a investigação diagnóstica mais adequada.

Se a radiografia não mostrar pneumotórax, mas houver forte suspeita, pode ser necessária uma radiografia de tórax adicional em projeção lateral.

Não é incomum que o mediastino (a estrutura localizada entre os pulmões e que contém o coração, grandes vasos sanguíneos e vias aéreas) seja deslocado em direção ao pulmão saudável devido a diferenças de pressão.

Em um pneumotórax hipertensivo, o diagnóstico é determinado principalmente pela observação de sintomas como hipóxia e choque.

O tamanho do pneumotórax (ou seja, o volume de ar no espaço pleural) pode ser determinado com um grau razoável de precisão medindo-se a distância entre a parede torácica e a parede pulmonar.

Isso é relevante para o tratamento, pois pneumotórax de tamanhos diferentes precisam ser tratados de maneira diferente.

O uso da tomografia computadorizada permite uma mensuração mais precisa do tamanho, mas seu uso rotineiro nesse contexto não é recomendado.

Nem todos os pneumotórax são uniformes.

Pequenas quantidades de líquido podem ser vistas na radiografia de tórax (hidropneumotórax), esse líquido pode ser sangue (hemopneumotórax).

Em alguns casos, a única anormalidade significativa visível na radiografia é o 'sinal do sulco profundo', no qual o espaço entre a parede torácica e o diafragma é visto aumentado devido à presença anormal de líquido.

Além disso, o ultrassom é comumente usado na avaliação de pessoas que sofreram trauma físico, por exemplo, com o protocolo FAST echo.

O uso da ultrassonografia pode ser mais sensível do que a radiografia de tórax na identificação de pneumotórax após trauma fechado.

Essa técnica também pode fornecer diagnóstico rápido em outras situações de emergência e permitir a quantificação do tamanho do pneumotórax.

sementes

Se o pneumotórax for primário, menor e o paciente não for muito sintomático, pode ser suficiente manter o paciente em observação em ambiente hospitalar com monitorização clínica e radiografia de tórax para documentar sua resolução.

Se o colapso pulmonar for mais grave, pode ser necessário colocar um dreno torácico para permitir que o ar escape do espaço pleural e, assim, permitir que o pulmão se expanda novamente.

No caso de pneumotórax primário, o tratamento cirúrgico (ressecção das bolhas ou áreas esclerodistróficas responsáveis ​​pelo vazamento aéreo) é providenciado:

  • se a patologia ocorre pela primeira vez e o pulmão não se expandiu sozinho;
  • se, apesar de decorridos vários dias desde a colocação do dreno, persistir o vazamento de ar prolongado;
  • em caso de reincidência.

Já no caso do pneumotórax secundário, a escolha do tratamento deve levar em consideração a patologia que o causou, o estado do paciente e a função respiratória.

Como prevenir o pneumotórax?

Não existem estratégias preventivas possíveis para o pneumotórax, mas como se observou que o tabagismo, provavelmente por mecanismo inflamatório, pode promover o aparecimento do pneumotórax primário, recomenda-se sua cessação.

Leia também:

Emergency Live Even More ... Live: Baixe o novo aplicativo gratuito do seu jornal para iOS e Android

Gestão das vias aéreas após um acidente rodoviário: uma visão geral

Intubação traqueal: quando, como e por que criar uma via aérea artificial para o paciente

O que é taquipneia transitória do recém-nascido ou síndrome do pulmão úmido neonatal?

Pneumotórax traumático: sintomas, diagnóstico e tratamento

Diagnóstico de Pneumotórax Tensional em Campo: Sucção ou Sopro?

Pneumotórax e Pneumomediastino: Resgatando o Paciente com Barotrauma Pulmonar

Diferença entre balão AMBU e emergência de bola respiratória: vantagens e desvantagens de dois dispositivos essenciais

Colar cervical em pacientes com trauma em medicina de emergência: quando usá-lo, por que é importante

Dispositivo de extração KED para extração de trauma: o que é e como usá-lo

Regra ABC, ABCD e ABCDE em medicina de emergência: o que o socorrista deve fazer

Fratura de múltiplas costelas, tórax instável (Volet de costela) e pneumotórax: uma visão geral

Fonte:

Medicina on-line

você pode gostar também